16 dezembro 2018

ASKING ALEXANDRIA lança videoclipe animado para "Vultures"


ASKING ALEXANDRIA lançou um videoclipe animado para seu último single, "Vultures", música tirada do auto-intitulado quinto álbum de estúdio da banda, lançado em dezembro de 2017 pela Sumerian Records. O disco marcou o retorno do vocalista Danny Worsnop

O clipe de "Vultures" foi dirigido por TG Hopkins, com animação da Bento Box Entertainment e segue uma narrativa desafiadora, sombria e francamente honesta que acompanha perfeitamente o tema lírico da música.

Enquanto o sangue escorre das feridas dos ganchos que prendem as cordas às mãos e aos pés, o alter ego animado e machucado de Worsnop é manipulado por uma ameaçadora garra de marionetes em ruas mal iluminadas, passando por pedestres aterrorizados enquanto ele lamenta, "Em todos os lugares que eu olho, esses abutres queimam a vida por mim."

Durante seu tempo longe do ASKING ALEXANDRIA, Worsnop montou uma banda de hard rock chamada WE ARE HARLOT, enquanto o ASKING ALEXANDRIA seguiu com um novo vocalista, Denis Shaforostov e lançou um quarto álbum, "The Black". Danny também lançou um álbum solo country, "The Long Road Home", no ano passado, pela Earache Records.

ASKING ALEXANDRIA se juntará a SHINEDOWN e PAPA ROACH para a turnê "Attention Attention" no início de 2019.



13 dezembro 2018

HÁ 17 ANOS, CHUCK SCHULDINER PERDIA SUA LUTA CONTRA O CÂNCER


Uma das maiores tragédias da história do death metal ocorreu em 13 de dezembro de 2001, quando Chuck Schuldiner, vocalista, guitarrista e líder do DEATH, morreu em uma batalha prolongada contra um tumor no cérebro. Ele tinha 34 anos.

Mesmo que os fãs continuem a debater se Schuldiner criou ou não o termo death metal (a banda de thrash Possessed lançou uma demo chamada Death Metal em 1984, o mesmo ano em que Death enviou sua primeira demo Death by Metal ), essa questão nunca foi importante para Schuldiner. Ele nunca quis ser o primeiro, ele só queria ser conhecido como um cara que empurrou os limites do gênero. Em uma entrevista inicial, Schuldiner disse que ficou lisonjeado com pessoas que o consideravam o fundador do gênero, mas acrescentou: “Na minha opinião, Venom foi o primeiro a ter aquele estilo vocal brutal, baixo, aquela agressão brutal inicial. Mas talvez eu tenha mantido o que o death metal é hoje”.


Não há dúvida de que Schuldiner desempenhou um papel importante no refinamento e desenvolvimento do gênero death metal da Flórida. Ele formou a banda com o guitarrista Rick Rozz e o baterista Kam Lee em 1983, aos 16 anos, e lançou o primeiro álbum da banda, 'Scream Bloody Gore', pela Combat Records, em 1987. Esse álbum e sua continuação, 'Leprosy' de 1988, exemplificaram o som do gênero underground e quase imediatamente, inúmeras bandas se agarravam ao modelo selvagem da banda, que combinava agitando guitarras afinadas, martelando batidas e vocais cavernosos que eram menos decifráveis ​​do que os do Venom do seu mentor.

Ao longo da carreira da banda, Schuldiner trabalhou com uma formação de músicos para evoluir o som da banda. Com o álbum 'Spiritual Healing', de 1990, o Death começou a se transformar em uma banda de death metal progressivo e técnico, adicionando mudanças bruscas de ritmo de 90 graus e vários tempos, mas sem sacrificar seu groove pesado. Schuldiner trabalhou no álbum com o guitarrista James Murphy, o baixista Terry Butler e o baterista Bill Andrews. Apenas um ano depois, Schuldiner estava trabalhando no inovador 'Human' com pioneiros da banda CYNIC, o guitarrista Paul Masvidal e o baterista Sean Reinert, acrescentando ainda mais reviravoltas à sua música e expandindo os parâmetros do que o death metal poderia ser.


Nós supostamente desistimos em 1990 com o 'Spiritual Healing' porque havia tantos elementos tradicionais de metal na música”, disse Schuldiner à Guitar World. “Fico feliz em ver que muitas dessas bandas de metal hoje estão incorporando elementos mais tradicionais em suas músicas, porque é daí que tudo vem. Eu nunca perdi contato com isso ao longo dos anos, mas fiquei muito crucificado por um tempo atrás. E eu acho que é bom saber que eu estava fazendo a coisa certa”.


Na época em que foi diagnosticado com um raro tumor cerebral em 1999, Schuldiner terminara as gravações do primeiro álbum do CONTROL DENIED, um projeto de power metal progressivo formado 1995, três anos antes do álbum 'The Sound of Perseverance', do Death. Em 1999, Control Denied lançou seu único álbum, 'The Fragile Art of Existence'.

Schuldiner passou por uma cirurgia em 2000 e parecia estar se recuperando a princípio. Mas, poucos meses após a operação, ficou aparente que a parte do tumor que não podia ser removida sem matar o músico estava crescendo rapidamente e em 2001 a condição era inoperável.

Depois da morte de Schuldiner, mais de 1.000 artistas que o consideraram uma influência prestaram homenagem ao músico e escreveram mensagens em um fórum on-line. "A música de Chuck foi muito importante para mim", disse o vocalista do Slipknot, Corey Taylor, à MTV.


Uma década depois que Schuldiner morreu, o legado do DEATH. Um grupo de músicos que estavam na banda e outros artistas - os guitarristas Masvidal, Shannon Hamm, Bobby Koelble; os baixistas Steve Di Giorgio e Scott Clendenin; e os bateristas Gene Hoglan e Reinert juntaram forças para homenagear Schuldiner na turnê de caridade “Death To All”. Os vocalistas e guitarristas Charles Elliott (Abysmal Dawn) e Matt Harvey (Exhumed) foram recrutados para as datas. O grupo fez cinco shows em 2012 e saiu novamente em 2013, com Max Phelps lidando com os vocais. A banda desde então mudou seu nome para DTA e planeja reservar mais shows no futuro.

"É um tributo muito legal ao nosso irmão Chuck", diz Hoglan (Testament, Galaktikon, Dark Angel). “Obviamente é uma coisa triste que Chuck tenha passado, mas dessa forma nós conseguimos manter a música viva e é muito divertida. Você vê homens adultos chorando na primeira fila. Toda noite você vê motivos de pessoas rasgando. É realmente como um renascimento para a banda de certa forma; Death fez seus últimos shows em 1998. Muitos dos caras mais velhos que costumavam vir são como 'eu não vejo a banda há 20 anos e isso é incrível!' E há também pessoas que eram jovens demais na época que o Death tocava, mas foram influenciadas pela banda e agora conseguem ver as músicas dos caras que originalmente tocaram. Então é uma ótima coisa para todos.

Por Jon Weiderhorn
Tradução: Julio Feriato







12 dezembro 2018

RITUAL DEADLAND: banda que conta com GEEZER BUTLER, MATT SORUM e STEVE STEVENS lança primeiro single


Saiu recentemente "Down In Flames", o primeiro vídeo do DEADLAND RITUAL, a nova banda com o baixista Geezer Butler (BLACK SABBATH), o guitarrista Steve Stevens (BILLY IDOL,VINCE NEIL), o baterista Matt Sorum (GUNS N 'ROSES, VELVET REVOLVER) e cantor Franky Perez (APOCALYPTICA). A música, produzida por Greg Fidelman (METALLICA, SLIPKNOT), foi lançada pela Sonik Riot Records / AWAL.

"Down In Flames" apresenta os vocais exuberantes e poderosos de Perez, ao lado da guitarra estridente de Stevens, conjugada com a rígida seção rítmica tribal de Butler e Sorum.

Inspirando-se no simbolismo ritual das terras do deserto, emparelhado com o amor de Sorum pela idéia de um "espaço ritualístico esquecido", o nome DEADLAND RITUAL pareceu apropriado para o tom mais sombrio da música que o grupo estava fazendo. "Obviamente, passamos por algumas coisas", diz Perez . "Se você está sendo honesto artisticamente, todo o tumulto do amor, perda, felicidade e dor na vida faz o seu caminho para a música."

As amizades duradouras de Sorum com Stevens e Perez ajudaram a formar o núcleo inicial da formação, mas foi um momento crucial quando Butler concordou em participar. Butler admite que havia muito o que pensar quando recebeu o convite. "Eu tive que me acostumar com a idéia de começar do zero novamente, o que é bom", diz ele. "Mas eu realmente gostei da música que estava ouvindo. Não é o seu típico hard rock ou material de metal."

Para Stevens, foi uma revelação a primeira vez que ele se viu gravando com Butler. "Como guitarrista, muitas vezes no estúdio você ouve um som de guitarra e tenta fazer funcionar, aprimorando", diz Stevens. "Com ele não houve essa besteira. Ele apenas se encaixava contra o seu baixo e foi realmente emocionante para mim. Eu pude ouvir minha guitarra contra um baixista que eu idolatrava para sempre."

Sorum estava determinado a levar as coisas para o próximo nível. "Eu queria ter o melhor som de bateria que já tive e tocar o melhor que já toquei", diz ele. "Eu acho que consegui isso. Como baterista eu me transformei em muitas décadas de rock and roll".

As gravações iniciais são apenas o começo do que os fãs podem esperar nos próximos meses. A banda está focada em qualidade vs quantidade e deixando a musica levá-los na direção apropriada. Com aparições em festivais agendadas e datas de destaque nos trabalhos, eles usarão o tempo que leva a essa jornada para continuar escrevendo e gravando, lançando singles ao longo do caminho e talvez um LP.

O RITUAL DEADLAND fará duas aparições em festivais de verão europeus em junho próximo - Download no Reino Unido em 14 de junho e Hellfest na França em 22 de junho, e promete que os shows ao vivo serão algo especial, misturando o material original com cortes mais profundos de seu passado coletivo. "Não são as músicas típicas que você esperaria", de acordo com Sorum .

Depois que o BLACK SABBATH fez seu último show em fevereiro de 2017, Butler admitiu: "Eu me senti aliviado por ter acabado, por termos feito um bom show e muito triste em pensar que nunca faríamos isso de novo. Realmente não era tão ruim quanto eu pensava que seria, na verdade. Apenas parecia certo. Nós estamos aqui há 49 anos, e é hora de encerrar o dia."

Em uma entrevista de 2017 com a Billboard , Butler falou sobre seus planos pós-BLACK SABBATH , dizendo: "Eu não tenho pressa em fazer nada, eu estou viajando muito. Nós recentemente mudamos de casa este ano e eu vou estar construindo meu estúdio caseiro, mas isso levou séculos. No ano que vem eu vou ver se eu posso voltar à música."

No ano passado, Butler disse à Rolling Stone que ele tinha "cerca de 120 riffs escritos" para seu próximo projeto musical, acrescentando que ele só precisava "escolher um guitarrista e classificá-los".

O último álbum solo de Butler , "Ohmwork" , que foi lançado com o nome da banda GZR, vendeu menos de 900 cópias durante sua primeira semana de lançamento em maio de 2005, de acordo com a Nielsen SoundScan. O primeiro projeto do Geezer como GZR foi "Plastic Planet", de 1995. "Black Science" de 1997, que foi creditado a GEEZER , contou com o vocalista Clark Brown, que também se apresentou em "Ohmwork" .

Membro fundador do BLACK SABBATH, Butler é também o letrista de clássicos do SABBATH como "War Pigs", "Iron Man", "Paranoid" e outros.



11 dezembro 2018

Guitarrista do CANNIBAL CORPSE é preso em Tampa/EUA. Assista ao video


De acordo com a estação televisiva de Tampa, na Flórida, WFTS-TV , o guitarrista do CANNIBAL CORPSE , Patrick "Pat" O'Brien , foi preso por invadir uma casa e depois correr em direção a um policial com uma faca.

O músico de 53 anos supostamente entrou em uma casa no bloco 4700 de Windflower Circle, perto do Northdale Golf and Country, pouco antes das 19:00 na segunda-feira (10 de dezembro) e ignorou ordens de duas pessoas dentro da casa para deixar . O'Brien não conhecia ninguém em casa e não tinha permissão para estar lá, afirma um relatório de prisão . Um supervisor do escritório do xerife diz que O'Brien empurrou uma mulher para o chão e depois foi para o quintal.

Os policiais encontraram O'Brien escondido atrás de uma cerca perto da casa, que ficava a menos de meio quilômetro de sua própria casa. Eles dizem que O'Brien "correu em direção a" um dos deputados "com uma faca na mão direita". Os deputados então atiraram em O'Brien com um Taser e o prenderam.

O'Brien é acusado de roubo de uma residência ocupada com agressão e ataque agravado contra um policial. Seu vínculo foi estabelecido em US $ 50.000.

Assim que O'Brien foi preso, um enorme incêndio irrompeu em sua casa no quarteirão de 16.000 unidades da Norwood Drive com explosivos explosivos dentro. Testemunhas disseram que houve uma briga, algum tipo de disputa doméstica, na casa antes do incêndio. Os bombeiros do condado de Hillsborough conseguiram manter o fogo sob controle após cerca de uma hora, mas lutaram devido à explosão da munição devido às chamas.

"Eles chegaram na metade do caminho quando as chamas ficaram fortes demais e estavam ouvindo os estalos e estalos de munição, então tiveram que adotar uma postura defensiva", disse Eric Seidel, porta-voz do Hillsborough County Fire Rescue, ao Tampa Bay Times .

As autoridades permaneceram no local durante a noite e mantiveram a estrada bloqueada por muito tempo depois que o fogo foi apagado. Não está claro se alguém estava em casa na época, mas nenhum ferimento foi relatado.

Policiais disseram que haviam dois lança-chamas de estilo militar dentro de casa, tornando o fogo muito mais difícil de combater pelos bombeiros.

O Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) está investigando o incêndio na casa.

O CANNIBAL CORPSE anunciou na segunda-feira que faria parte da próxima etapa norte-americana da turnê de despedida do Slayer .



08 dezembro 2018

OLKOTH: banda formada por membros do NILE e RAPHEUMETS WELL, lança seu primeiro single


Uma nova e assombrosa abordagem ao death metal vem na forma de Olkoth, um novo projeto fundado na Carolina do Sul/EUA pelo guitarrista Zach Jeter, o baixista Brad Parris (Nile), o baterista Joshua Ward (Rapheumets Well, Xael) e o guitarrista Hunter Ross (Rapheumets Well).

Cunhada como dinâmica, fria e assombrosa, a inspiração para a banda cresceu a partir de elementos do ocultismo, histórias de guerras, corrupção e ficção de H. P. Lovecraft. O single é uma exibição feroz do poder, velocidade e agressividade desenfreada pela qual Olkoth será rapidamente reconhecida.

Jeter diz aos ouvintes o que eles podem esperar do próximo álbum: “Nossa mistura única de estilos e abordagem à escrita que acreditamos será bem recebida. Nosso objetivo é trazer uma novidade e originalidade que será uma lufada de ar fresco na comunidade do death metal.

Ele continua explicando seus novos planos futuros e futuros: “nós daremos aos fãs um gostinho da pura brutalidade que incorporamos como as mudanças dinâmicas e atmosfera dentro da nossa música. Com novos lançamentos, expandiremos esse estilo e mostraremos nossa mistura única de riffs violentos e diversos temas emocionais.

Eles estão prontos para lançar seu álbum de estréia, auto-intitulado no início de 2019. O primeiro single, produzido e mixado por Joshua Ward e Zach Jeter no Elder Verse Studio "Imperfeita Reanimation", já está disponível.



04 dezembro 2018

DESTAQUES DE 2018: O RETORNO MATADOR DO MONSTROSITY


"Demorou uma eternidade, mas finalmente conseguimos", proclama o baterista do Monstrosity, Lee Harrison, em relação ao novo álbum 'The Passage Of Existence', lançado em 7 de setembro pela Metal Blade Records. Muito mais do que apenas mais um álbum de death metal, 'The Passage Of Existence' marca o retorno da banda onze anos após 'Spiritual Apocalipse', lançado em 2007.

Com Lee sendo o único membro original do Monstrosity, ele é a pessoa perfeita para perguntar, por que agora é a hora certa do retorno do Monstrosity? “Basicamente, fizemos algumas turnês entre 2007 e 2010. Tínhamos acabado de sair de uma tour antes de gravar 'Spiritual Apocalipse'- 33 shows na Europa. Então fizemos uma turnê com os Vital Remains; fomos para a Cidade do México e fizemos alguns shows com os Marduk. Em 2010 fizemos nossos últimos shows, tanto quanto turnês mais sérias. Eu queria tirar a banda da estrada e apenas escrever o disco. Eu não queria tentar fazer as duas coisas ao mesmo tempo; eu queria criar um pouco de força e fazer com que a banda se concentrasse em escrever o disco.

Em 2011, escrevi a primeira música que foi 'Eyes Upon The Abyss'. Eu basicamente fiz minha própria versão com guitarras, baixo, um pequeno arranhão e todas as minhas partes de bateria. Então mandei para o Matt Barnes (guitarrista do Monstrosity), e ele me mandou de volta a sua versão. Então, eu coloquei isso no meu computador e fiz algumas partes da bateria. A partir daí, eu e o Mark English (outro guitarrista do Monstrosity) começamos a ensaiar essa versão. Basicamente, a maneira como trabalhamos é que temos tudo esculpido nas guitarras, então você não tem que sentar e mostrar a parte deles; eles podem lê-lo ”.

A segunda música foi 'Kingdom Of Fire', escrita pelo Mark English. Ele entrou com um monte de riffs, nós mais ou menos a desmontamos e a reconstruímos novamente; havia muito disso acontecendo. A partir daí, começamos a ter mais ideias. Matt enviou 'Cosmic Pandemia', eu e Mark a ensaiamos semana após semana. Nós criamos algumas pequenas mudanças nas melodias e na estrutura. Eu tinha algumas das minhas músicas, era bonita mesmo entre todos nós, e eu queria que fosse assim; esses caras são trituradores!"


Gravado na Flórida em três estúdios diferentes, 'The Passage Of Existence' possui um som incrivelmente coeso. "Eu tenho que tirar o chapéu para os engenheiros - Jason Suecof (Trivium, Angel of Death, Deicide) e Mark Lewis (DevilDriver, Whitechapel, Six Feet Under) - porque eu estava preocupado”, Admite Harrison. A bateria foi tocada no Audiohammer em Sanford, guitarras / baixo colocadas no Ascension Sound em Tampa, e vocais no Obituary’s Redneck Studios em Gibsonton. “Passei uma semana em Sanford com Jason fazendo a bateria. Eram os últimos dias do estúdio de madeira que eles tinham; era uma sala de bateria construída à mão. Eles acabaram vendendo, então meu álbum e o álbum Terrorizer (Caustic Attack) foram os últimos feitos lá.

Normalmente, no Morrisound, é um dia de 12 horas e você paga pelo quarteirão inteiro. Isso é legal, mas com Jason, eu dei a ele um preço fixo e entramos por uma semana. Então, poderíamos ficar um pouco mais relaxados quanto a isso. Passamos dois dias apenas ajustando os tons, trocando os pratos; realmente analisando. Então nós voltávamos e assistíamos à TV por um tempo, apenas relaxávamos. Foi um ambiente descontraído, em vez de estar sob o relógio. Isso nunca falha, quando você sai da sala de banda para aquele ambiente microscópico, onde cada pequeno detalhe é ouvido de forma diferente, de repente você fica tenso e não está tocando direito. Isso acaba sendo estressante. Para ser honesto, realmente não foi um estresse no Morrisound no inicio, mas aprendi a me ajustar a isso. Eu amo o Morrisound e não tenho nada ruim para dizer sobre eles, eu gostaria que eles ainda estivessem por perto. Infelizmente, o estúdio foi vendido, foi assim que aconteceu. Eu amo Jason Suecof também, é ótimo trabalhar com ele. Nós trabalhamos juntos no álbum 'Rise To Power' (2003). Eu o conheci em 1997 na Millennium Tour, em Connecticut. Ele é um bom amigo há muito tempo, então é legal trabalhar com ele - e suas produções são matadoras!

Basicamente, nós fizemos a bateria com o Jason. Então pegamos as faixas de bateria para o nosso estúdio. Nós fizemos as guitarras aqui em Tampa, meio que em nosso próprio tempo, que contribuiu para o longo atraso, tendo a liberdade de relaxar e não ficar estressado pelo tempo. Há sempre uma coisa que você quer consertar, e enquanto estamos fazendo isso, podemos fazer isso. De lá, nós não tínhamos uma cabine vocal. Poderíamos ter voltado ao Jason's, mas pareceu uma boa ideia ir até o Obituary’s Redneck porque trabalhei com eles no passado, e eles ofereceram o estúdio se eu precisasse. De lá, enviamos todas aquelas músicas para Mark Lewis e ele fez a mixagem. Mark fez aquele remix de 'Killing Is My Business' que acabou de sair do Megadeth, que é matador. Ele definitivamente tem credibilidade. Foi uma maneira diferente de mixar, porque no passado eu sempre estive lá de cima para baixo. Você tem que passar por todo o tédio... Neste caso, um dia recebi um e-mail com um mix - ah, legal! Você pode ouvi-lo em seu próprio aparelho de som doméstico com alto-falantes que você já conhece. Aconteceu muitas vezes no Morrisound, tudo soava fenomenal nos alto-falantes de lá, então você pega a fita cassete que eles fizeram para você e em casa não é tão cheia de som, faltava algo."


A arte da capa de 'The Passage Of Existence' é praticamente uma obra de arte criada por Timbul Cahyono,que de acordo com Lee, é uma “grande história”. “Basicamente, a ideia que eu tinha era a capa da demo original de 'Horror Infinity' (1990) - o cara do Antler - era esse personagem. Ele virou de lado e está soprando em sua mão, há poeira na mão dele. A poeira está deixando sua mão e se tornando o universo, essencialmente. A poeira se torna os planetas e os planetas estão indo em direção à algo que é um buraco de minhoca ou um buraco negro de algum tipo; está do outro lado da imagem. Essa foi a minha ideia original, que expliquei ao meu vocalista Mike Hrubovcak, que é um artista por direito próprio. Ele fez Six Feet Under, Megadeth, Sinister. Ele fez um esboço da minha ideia e vi esta obra de arte... Era como uma espécie de borboleta, mas criou um esboço. Apenas me deu a ideia do contorno que está na imagem".

A partir daí, fomos abordados por um cara chamado Zbigniew Bielak que fez o novo Deicide, Ghost, alguns Paradise Lost, Entombed. Ele entrou em contato comigo e disse: 'Eu amo a sua banda, eu quero fazer a capa do seu disco. Vou te dar um ótimo preço. Então, enviamos a ele essa ideia; ele ia pintar à mão. Dessa forma, foram três etapas: minha ideia, a realização de Mike Hrubovcak e a mão de Zbigniew pintando-a. Mas ele em seguida ele para a África de férias e demorou demais... Quando percebemos, seis meses se passaram. Ele continuou dizendo que estava voltado, mas nunca vinha. Enquanto isso, toquei com Pete Sandoval, do Morbid Angel, e a nova formação do Terrorizer. Um dia conversávamos e ele mostrou a nova camiseta do Terrorizer que tornou-se a capa do disco novo deles. O artista era Timbul Cahyono e Pete disse que eu deveria falar com ele; então eu fiz. Enviamos a mesma imagem para ele e, quatro dias depois, o cara me enviou de volta; pintado à mão, era matador! Com ele também fizemos alguns desenhos de camisetas e tem sido ótimo, eu não posso dizer coisas boas o suficiente sobre ele. Sem ressentimentos com Zbigniew, é por isso que eu estou falando sobre ele, eu quero que ele ganhe crédito também, porque ele é um artista matador. Simplesmente não deu certo."



Dado o fato de que não há uma música chamada 'The Passage Of Existence', Lee revela porque escolheu esse título de seu sexto álbum de estúdio. “Era apenas algo que eu pensava antes do álbum estar totalmente pronto. Originalmente, eu ia chamá-lo de 'The Passage', mas isso é genérico e óbvio. Então, por um minuto, tive 'Rites Of Passage', mas isso também não era original. Eu apenas continuei pensando, pensando e pensando... Finalmente eu cheguei com 'The Passage Of Existence', é um pequeno título diferente ”.

Sem dúvida, o título da música mais intrigante em The Passage Of Existence é “The Proselygeist”, que é uma junção das palavras proselitismo (prática de tentar converter as pessoas para outra opinião ou religião), e Poltergeist (famoso filme de terror). "Essa música foi a última escrita", lembra Lee. “As coisas simplesmente vêm para mim e essa foi uma delas. Quanto à música em si, a palavra pregar é repetida algumas vezes. É mais ou menos sobre um pregador fantasmagórico, se você quiser entender assim. Parecia funcionar, eu realmente não precisava pensar muito nisso. Uma vez que tive a ideia, meio que se escreveu.

'The Passage Of Existence' é um álbum longo com 12 faixas, abrangendo 55 minutos de clássico death metal técnico da Flórida. No entanto, não apresenta tudo o que Harrison tinha à sua disposição. “Nós temos algumas coisas extras. Há uma música chamada 'Locusts' que Mark (inglês, guitarrista) escreveu. Ela tem alguns riffs legais, mas por alguma razão foi colocada em segundo plano.” E, embora 'The Passage Of Existence' seja um disco recente, segundo Lee, parece que os fãs não terão que esperar tanto tempo por um novo trabalho: "Eu já tenho quatro músicas para o próximo".

Por Aaron Small (BraveWords)
Tradução: Júlio Feriato



01 dezembro 2018

DESTAQUES DE 2018: WARREL DANE - "SHADOW WORK"

Por Julio Feriato

O falecimento do cantor Warrel Dane em dezembro de 2017 pegou muita gente de surpresa, mas nem tanto aos conhecidos que acompanharam de perto toda sua saga pelo Brasil desde que ele veio fazer uma turnê solo com músicos brasileiros, em 2014. Para quem não sabe, este extraordinário artista não estava muito bem de saúde há alguns anos e não tinha disciplina alguma em relação a isso; tanto que, os músicos que gravaram este disco já temiam que o pior pudesse acontecer hora ou outra. Mas, ninguém poderia prever que a tragédia fosse rolar justamente em meio às gravações de "Shadow Work"!

Além disso, as expectativas em torno deste trabalho eram muitas: primeiramente pela banda contar com músicos brasileiros e por ter sido inteiramente produzido e gravado em São Paulo-SP, com pré-produção à cargo de Roy Z. Por mais triste que seja, felizmente pelo menos metade do disco foi gravado e o resultado é uma verdadeira obra prima da música pesada com oito belas composições e também com uma das melhores performances já realizadas por Warrel Dane.

Fabio Carito (baixo), Thiago Oliveira (guitarra), Warrel Dane (voz), Johnny Moraes (guitarra) e Marcus Dotta (bateria)

O álbum abre com um belo clima oriental na introdução intitulada "Ethereal Blessing", seguida da portentosa "Madame Satan" (titulo inspirado numa tradicional casa noturna de São Paulo que possui o mesmo nome), cheia de riffs quebrados e pesadíssimos, com direito à vocal gutural em alguns momentos. De cara, não há como não lembrar do Nevermore da fase "This Godless Endeavor", um fato talvez proposital, visto que em algumas entrevistas o cantor deu a entender que "Shadow Work" seria uma tentativa de reconectar os antigos fãs à sua carreira solo. Se um dos objetivos era esse, posso afirmar que deu certo, pois a estrutura das músicas é bem parecida, inclusive o timbre das guitarras remetem bastante ao Nevermore.

Mas calma, não pensem que "Shadow Work" soa como uma pálida cópia das bandas anteriores de Dane, pois não é! A 'brasilidade' dos músicos é bem marcante devido aos a rifferama quebrada das músicas, característica que a dupla de guitarristas Thiago Oliveira e Johnny Moraes conseguiram explorar com maestria e afirmo que foram até além disso - um belo exemplo é a melodia final da música título, algo que grudou por dias na minha cabeça.

"Disconnection System" foi o primeiro single divulgado pela gravadora e confesso ter demorado para digerir por completo sua proposta, diferente, por exemplo, de "As Fast as the Others", que mantem o clima sombrio, mas com muito peso e sentimento. Segundo o guitarrista Thiago Oliveira, esta foi a música mais difícil de compor justamente por ela ter essa proposta mais comercial e melódica.

Mantendo sua tradição em realizar versões inusitadas de velhos clássicos, Dane desta vez escolheu o The Cure para homenagear ao regravar uma surpreendente versão para "The Hanging Garden"; e o resultado final é magnífico. A faixa seguinte, a balada "Rain", é talvez a música mais 'chiclete' de todas e afirmo isso no bom sentido. Ela conseguiu resgatar as raízes mais doom metal que o cantor nunca negou ter e na minha opinião é o grande destaque deste disco.

Para fechar com chave de ouro, temos a longa "Mother Is the Word for God", que começa com corais e uma bela melodia sinfônica, seguida de um violão acústico como apoio, para depois descambar em um trampo nervosíssimo de guitarras que perpetua até o fim.

O veredicto é que dá muito orgulho saber que "Shadow Work" foi um trampo concebido em nosso país, com ajuda de músicos brasileiros. O único "senão" fica por conta da sensação de "quero mais", pois sabe-se que o disco seria mais longo e que muitas músicas ficaram de fora devido ao falecimento do cantor. E, segundo me confidenciou um dos músicos, essas músicas eram justamente as mais legais. Por causa disso, dá até uma certa revolta contra o universo por ter levado embora um artista tão talentoso e característico como Warrel Dane antes dele ao menos terminar sua obra! Caramba universo, não dava para ter esperado só um pouquinho mais?!